Lesões na coluna são a principal causa de incapacidade, mas podem ser evitadas!

O Drº Manuel Tavares de Matos, ortopedista e presidente da Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral, avisa: “Todos os anos, em todo o mundo, mais de 500 mil pessoas sofrem uma lesão na coluna devido a causas evitáveis. Estas lesões na coluna representam mais de 50% das causas de incapacidade física em idade laboral e são uma das principais causas de ausência no trabalho”.

Estas são provocadas por causas evitáveis como acidentes rodoviários (de automóvel e/ou moto), quedas, atividades desportivas, mergulhos em águas rasas e atos de violência (incluindo tentativas de suicídio).

“Os principais sinais e sintomas de lesão na coluna dependem da gravidade da situação, mas podem incluir dor e rigidez no pescoço, ombros e costas, eventualmente irradiada para os membros, náuseas, cefaleias ou tonturas; alterações da sensibilidade como formigueiros, dormência, diminuição da força nos braços ou pernas; estado de consciência alterado, dificuldades respiratórias e de concentração; perda de controle da bexiga e intestinos”, indica.

 

As lesões da coluna vertebral podem constituir emergências médicas que requerem tratamento imediato para minimizar os danos. “Entre as principais consequências de um acidente ou trauma na coluna vertebral encontram-se as deformidades secundárias ao traumatismo, potencialmente dolorosas e incapacitantes e a paralisia”, conclui o médico.

No âmbito das comemorações do Dia Internacional das Lesões na Coluna Vertebral, em todo o mundo, realizam-se iniciativas de consciencialização, dirigidas à sociedade, para alertar para as consequências negativas deste problema e apelar à sua prevenção, relembrando que algumas complicações das lesões na coluna podem ser evitadas ou minoradas com tratamento adequado.

(notícia retirada do site lifestyle.sapo.pt)

Os tratamentos de Osteopatia são, sem dúvida, uma boa solução para prevenir estas problemáticas e, em casos mais graves, para tratar.

Também poderá gostar de…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *