Dia Mundial da Hipertensão

Dia 16 de Maio celebra-se o Dia Mundial da Hipertensão, com o objetivo do combate ao flagelo da hipertensão.

A circulação do sangue, que tem por destino chegar a todos os tecidos e células do organismo, implica que haja alguma pressão sobre as paredes das artérias. Esta pressão, que é normal e até essencial para que o sangue atinja o seu destino, é a chamada “tensão arterial”.

Existem, no entanto, uma série de factores — de ordem genética ou ambiental — que podem fazer com que esta pressão sobre as paredes das artérias aumente em excesso. Estamos, então, perante um cenário de hipertensão.

Em Portugal, existem cerca de dois milhões de hipertensos, segundo dados da Fundação Portuguesa de Cardiologia.

Exatamente por existir uma percentagem tão elevada de doentes cuja hipertensão não é controlada ou corrigida, é que a hipertensão é um dos principais fatores de risco no aparecimento de doenças cardiovasculares.

 

Como surge a Hipertensão

Imagine que as suas artérias são como mangueiras: em estado saudável, o sangue flúi com facilidade pelo seu interior, não encontrando qualquer obstáculo ao longo do trajecto que percorre até às células.

No entanto, se nestas “mangueiras” o sangue se encontra sobre pressão, o coração tem de esforçar-se mais para fazer circular o sangue. Nestes casos, o esforço pode levar a que a massa muscular do coração aumente, fazendo com que o volume do coração se torne maior — a chamada hipertrofia.

Numa primeira fase, o aumento muscular cardíaco não representa qualquer problema. Contudo, com o passar do tempo, esta hipertrofia pode levar a insuficiência cardíaca, angina de peito ou arritmia.

 

O que fazer?

  1. Medir a pressão arterial regularmente – uma vez que a hipertensão arterial geralmente não tem sintomas, controle os níveis da pressão arterial com regularidade. No caso de adultos saudáveis, recomenda-se a medição da pressão arterial, pelo menos uma vez por ano. Já a população obesa, diabética, fumadora ou com antecedentes familiares de doença cardiovascular, deve proceder a um controlo mais frequente e de acordo com as indicações médicas.
  2.  Pratique actividade física, mas evite esforços excessivos – A prática de uma actividade física regular consegue, em muitos casos, uma descida significativa dos níveis da tensão. Escolha exercícios que compreendam movimentos cíclicos (como a natação, a marcha, a corrida ou a dança) e evite esforços físicos bruscos (por exemplo, levantar pesos ou empurrar objectos pesados) que aumentam a pressão arterial durante o esforço.
  3.   Coma de forma saudável e evite o sal – Deixe de utilizar sal de mesa (se ainda o faz) e substitua-o por condimentos alternativos, como ervas aromáticas ou sumo de limão. Evite também todos os alimentos naturalmente salgados ou aos quais tenha sido adicionado sal durante a sua preparação: caso dos enchidos, enlatados, comidas pré-preparadas, aperitivos ou águas minerais com gás. Evite as bebidas alcoólicas e, se tem excesso de peso, procure reduzi-lo através de uma dieta moderada.

 

Valores ideiais

Os valores ideais situam-se nos 120/80 mm Hg (milímetros de mercúrio).

Acima de 140/90 mm Hg já se considera estar numa situação de hipertensão.

 

 

(Referência: Fundação Portuguesa de Cardiologia)

Também poderá gostar de…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *